OfAl. Felipe Dias recebe presentes após sua palestra sobre equalização de esteiras. (Foto: Al. Anna Viriato / Jornal Pelicano)

Dezembro é o mês de encerramento da EFOMM. Depois de um ano atarefado e cansativo, mas também feliz e de muito aprendizado, nossos alunos começam a concluir seus trabalhos de 2016. Entre esses trabalhos, os TCC – Trabalho de Conclusão de Curso -, cujo laborioso desenvolvimento ocupou boa parte da vida de 3º ano da Turma 2014.

Nos dias 5 e 6 de dezembro, alguns dos alunos da EFOMM que obtiveram nota máxima no TCC, tiveram a oportunidade de apresentar suas monografias no Auditório Newton Braga do CIAGA. Na presença do Comandante da OM, CAlte Gilberto Cezar Lourenço, dos demais companheiros da Escola, e também os pais dos destaques. Seguem abaixo os temas dos projetos apresentados na segunda e terça-feira.

 1º Dia

  • Gestão Financeira: a importância da educação financeira para marítimos

A aluna Isabelle Coimbra escolheu abordar, sob orientação do professor Marconi, um tema inédito. Todos sabem da fama dos altíssimos salários de um oficial mercante, e o trabalho acadêmico da referida resolveu mostrar o quão podemos nos favorecer gerenciando esse dinheiro.

(Foto: Al Anna Viriato/Jornal Pelicano)
Aluna Isabelle Coimbra em sua apresentação sobre a importância da educação financeira para marítimos (Foto: Al Anna Viriato/Jornal Pelicano)

Além de se basear no livro do indiano Rajeevee Kaushik, pertencente a Marinha Mercante, fez pesquisas entre alguns membros desse universo para expor aos futuros homens do mar. Pudemos ver por exemplo, entre os dados apresentados, que 90% investe o dinheiro que recebe.

  • Evolução da propulsão marítima: recordando o passado, avaliando o presente e projetando o futuro

A apresentação do aluno de máquinas Gualberto falou sobre toda a evolução da propulsão de navios. Com a orientação do professor Paulo Roberto Pinto, explicou várias maneiras de adquirir a energia mecânica necessária para mover embarcações ao longo dos séculos. Após falar das máquinas à vapor, combustão interna e turbina a gás, falou sobre a energia elétrica, muito usada atualmente.

(Foto: Al Anna Viriato/Jornal Pelicano)
Aluno Gualberto recebe diploma de palestrante do CIAGA. (Foto: Al. Anna Viriato/Jornal Pelicano)

Os projetos que começam a ser desenvolvidos para serem utilizados num futuro próximo incluem energia eólica, solar e propulsão a hidrogênio. O intuito que move essas inovações é o de diminuir a poluição ambiental.

  • Influência de dispositivos equalizadores de esteira na eficiência energética das embarcações.

Orientado pelo professor Hermann, de hidrodinâmica e química do CIAGA, o aluno Felipe Dias apresentou algumas melhorias no navio que possam reduzir os vórtices formados com o fluido na esteira criada pelo hélice do navio, aumentando o desempenho da embarcação. Separados entre estruturas que se encontram antes e depois do propulsor, deu maior atenção ao propulsor azimutal e o bulbo de leme.

  • Acidentes de trabalho a bordo de embarcações mercantes

Os primos Marcelo e Fábio Kafa, sob orientação do professor Muniz, expuseram as principais fontes de risco a bordo, sejam eles derivados de ameaças físicas (esforço), químicas (poeira, pintura ou vapor), biológicas (no tanque séptico, cozinha, enfermaria ou sanitários) ou ergonômicas. Depois de mostrar os principais tipos de acidentes que ocorrem, falaram da responsabilidade do empregador (com treinamento e equipamento adequado) e do pessoal a bordo quanto a prevenção.

Alunos e orientadores dos projetos apresentados no primeiro dia posam para foto. (Foto: Al. Anna Viriato / Jornal Pelicano)
Alunos e orientadores dos projetos apresentados no primeiro dia posam para foto. (Foto: Al. Anna Viriato / Jornal Pelicano)

2º Dia

O segundo dia de apresentações começou com uma alteração no local, ao invés do auditório Alte. Newton Braga, foi utilizada uma das salas do bloco Whiskey. Que mesmo comportando uma quantidade reduzida de pessoas, esteve completamente cheia de alunos e convidados, afim de prestigiar a exposição dos trabalhos.

  • Semelhanças e diferenças entre Escola Infante D. Henrique e EFOMM

As alunas Thaís Dias e Priscila Mesquita apresentaram um trabalho comparando a Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM) e a Escola Superior Náutica Infante D. Henrique (ENIDH), localizada em Portugal. A qual se distingue pelo fato de não ser um estabelecimento de ensino militar, e por contar com um maior número de cursos para a carreira mercante e oferecer diploma de licenciatura e técnico superior.

Desta forma a ENIDH conta com os cursos de licenciatura em Pilotagem, Engenharia de Máquinas Marítimas, Engenharia de Sistemas Eletrônicos Marítimos, Engenharia Eletrotécnica Marítima, Gestão de Transportes e Logística. Além dos cursos técnicos superiores em Sistemas Informáticos e Rede, Eletrônica e Automação Naval, Manutenção Mecânica Naval e Refrigeração e Climatização.

Apesar das diversas semelhanças com a EFOMM, em virtude da convenção STCW, os alunos da ENIDH pagam mensalidades, mesmo ela sendo uma instituição pública. E diferentemente da escola brasileira, a portuguesa não disponibiliza estágios embarcados após a conclusão dos cursos.

  • Segurança nas operações de carga e descarga em navios petroleiros

A segunda apresentação do dia foi a do aluno Perrotta, que começou falando sobre algumas características de navios petroleiros e o alto risco de se trabalhar nestas embarcações, o qual detém o maior grau de risco segundo a Norma Regulamentadora Nº 4. Todavia mesmo sendo um local perigoso para se trabalhar, este tipo de navios registra baixa incidência de acidentes.

E partindo deste princípio, Perrotta explicou o funcionamento de alguns instrumentos utilizados para se manter o alto nível de segurança dos navios. Como o sistema de gás inerte, o qual isenta o risco de explosão nos locais e da importância da utilização a válvula P/V. E também falou sobre as medidas protetivas a serem tomadas em operações de navios petroleiros, como as que acontecem nas operações com monobóia e Ship to Ship (Transferência de petróleo entre navios). Além das medidas de segurança previstas no ISGOTT (Guia de Segurança Internacional para Navios e Terminais Petroleiros).

Aluno Perrotta recebe presente das mãos de seu orientador, professor Muniz. (Foto: Al. Fabrício / Jornal Pelicano)
Aluno Perrotta recebe presente das mãos de seu orientador, professor Muniz. (Foto: Al. Fabrício / Jornal Pelicano)
  • Aproximando marítimos e empresas de navegação por meio do vagasembarcados.com

A terceira monografia apresentada foi a do aluno Samba, o qual expôs a sua plataforma online de busca de vagas de empregos para marítimos, a qual atualmente atinge a um público de 2 milhões de pessoas. Nela o marítimo pode cadastrar seu currículo, que será enviado para recrutadores das empresas de navegação. Ademais o aluno Samba contou um pouco sobre a história do site, como conseguiu obter contato com representantes de empresas e da participação de seus companheiros de turma nessa empreitada.

  • Comportamento Humano a Bordo de Navios Mercantes

A penúltima apresentação de monografia foi feita pelo aluno Lisboa, o qual fez uma pesquisa empírica entrevistando 9 dos 20 tripulantes de um navio PSV, durante 28 dias embarcado com eles. E neste período o aluno teve a oportunidade de tirar serviço de 12h no passadiço, junto com o imediato, e descobrir que a primeira experiência a bordo de todos os tripulantes é marcada pelo medo do desconhecido e a grande quantidade de informações recebidas. E também pode constatar que o confinamento é um fator de estresse, todavia ele pode concluir, que um certo nível dele aumenta o foco e a produtividade dos tripulantes.

Também vale registrar o fato do navio em questão só contar com uma mulher a bordo, fato que despertou o interesse do pesquisador sobre a questão do preconceito com a mulher. E em conversa com esta tripulante, o aluno constatou que o machismo varia com a idade média da tripulação, ou seja, tripulações com média de idade elevada tendem a ser mais preconceituosas. Além disso, Lisboa também teve a oportunidade de conversar com o comandante do navio, o qual falou sobre a solidão do comando, da responsabilidade de tomar decisões e sobre os inevitáveis conflitos existentes a bordo.

  • O sistema de posicionamento dinâmico por referência Hidroacústica: um modelo em escala reduzida

A última apresentação de monografias foi feita pelos alunos Fevereiro, Olivério, Millani e Felipe Mendes, que construíram um modelo em escala reduzida de um sistema DP (Dynamic Positioning) em plataformas. O trabalho que levou 2 anos para ser concluído, mostrou de forma didática como age o sistema, limitando os movimentos de grau de liberdade da plataforma. Assim, os alunos puderam demonstrar para leigos no assunto que o sistema tem controle sobre os movimentos de surge, sway e yaw. Além disso, falaram sobre a importância do offset e das dificuldades de se montar o modelo, o qual exigiu um conhecimento de mais de 20 matérias estudadas ao decorrer do curso da EFOMM.

Alunos e orientadores do segundo dia de apresentações. (Foto: Al. Fabrício / Jornal Pelicano)
Alunos e orientadores do segundo dia de apresentações. (Foto: Al. Fabrício / Jornal Pelicano)

Texto: Al. Colares e Al. Fabrício

COMPARTILHAR
Colares
Adaptador aluno do 3º ano de náutica, coordenador geral do Jornal Pelicano.