A nova tecnologia a laser representa um grande avanço para a exploração do Ártico (Foto: Google Imagens)

O continente Ártico é um dos lugares mais desconhecidos da Terra. Assim, nos últimos anos, o mercado marítimo vem sendo aperfeiçoado por novos equipamentos náuticos para quebrar gelo, como o desenvolvimento de navios quebra-gelo nucleares e atômicos. Entretanto, a tecnologia que tem sido utilizada atualmente com grande êxito são os aparelhos que quebram gelo a laser. A Rússia é a principal desenvolvedora no projeto, com o intuito de concorrer com os Estados Unidos para explorar a região ártica.

Como funciona

O novo sistema permite que os navios quebra-gelo consigam partir o gelo com um laser, e então, romper completamente com o peso da embarcação. Essa tecnologia ajuda a aumentar a largura do caminho aberto pelo navio. Desse modo, pode até transportar plataformas especiais cujas larguras ultrapassam a dos navios.

O laser pode cortar blocos de gelos de até 3 metros de espessura, mas deve ser utilizado com atenção e técnica apropriada para evitar que a água infiltre entre as placas partidas enquanto o equipamento corta a área seguinte. Caso isso aconteça, pode ocorrer o recongelamento das calotas de gelo rompidas e o quebra-gelo ter que refazer o procedimento. Os navios equipados a laser não possuem a mesma potência que as embarcações atômicas e nucleares, entretanto são mais baratos e mais fáceis de serem instalados e operado, o que torna o aparelhamento a laser atrativo no mercado marítimo.

Os navios quebra-gelos são muito importantes para a navegação em altas latitudes (Foto: Google Imagens)
Os navios quebra-gelo são muito importantes para a navegação em altas latitudes. (Foto: Google Imagens).

A nova tecnologia representa mais um recurso eficiente para aumentar o tráfego de embarcações na Rota do Mar do Norte (trajeto mais curto entre o Pacífico e o Atlântico, através dos mares do oceano Glacial Ártico). Com o desenvolvimento de cada vez mais aparelhos inovadores para quebrar o gelo, é possível imaginar daqui a alguns anos navegações em regiões desconhecidas do continente polar Ártico.

COMPARTILHAR
Thiago Ninck
Comandante-Aluno (Curso de Náutica), Atleta da Equipe de Xadrez e Repórter do Jornal Pelicano