A noite de sábado no Colégio Naval foi reservada para a partida de Basquete no ginásio da Organização Militar. Com a presença de toda a torcida de alunos de ambos os lados (já que não ocorria eventos paralelos), o evento parecia criar uma atmosfera de grande expectativa. Os navais, com o desejo de revanche por causa da derrota de 70 a 38 do ano anterior. E a EFOMM com um novo time, desfalcado do pivô Yohan e outros jogadores que se formaram em 2015.

Enquanto as autoridades chegavam, os atletas aqueciam ao som da incansável torcida e da música no autofalante. O time da EFOMM começaria com seu time titular, composto pelos alunos Paulo Sargento, armando o jogo, Dutra e Kummer nas alas, e os gigantes, Klein e Pedro Henrique, de pivôs.

Lances disputados exibem o alto nível da partida. (Foto: Jornal Pelicano)
Lances disputados exibem o alto nível da partida. (Foto: Jornal Pelicano)

11º Quarto

Bola ao alto e o jogo começa nas mãos dos mercantes. O início do primeiro quarto foi marcado por muita correria. Incitados pela eufórica torcida, o time da EFOMM converteu algumas bolas no começo. Mas com o tempo, a equipe do Colégio Naval aproveitou erros cada vez mais frequentes dos visitantes. Ao longo do quarto, os próprios jogadores se deram conta da afobação e, depois de pedirem um tempo técnico, voltaram com as cabeças no lugar e muitos arremessos certeiros.

22º Quarto

O jogo pareceu ter mudado. Agora não só a torcida embalava o time, mas os arremessos de 3 pontos de Dutra pareciam embalar cada vez mais os espectadores. A vantagem cada vez mais aumentava, enquanto a EFOMM engolia o time do CN. No 2º período, o pivô Klein saiu do jogo com uma torção no tornozelo. O atleta, que já viera contundido para a MERCNAV, foi substituído com dores no 1º quarto e finalmente sucumbiu a lesão no 2º quarto, dando espaço ao terceiranista boliviano Alejandro.

Jogadores aproveitam tempo técnico para recuperar o fôlego. (Foto: Jornal Pelicano)

33º Quarto

No 3º quarto, com os mercantes já bem à frente no placar, o time do Colégio começou a fazer um jogo duro, com a marcação forte até demais. Esse período terminou com 8 faltas para o CN, e apenas 2 da EFOMM. Mesmo assim, o time visitante parecia imparável. A cada falta sobre a infiltração do camisa Pedro Henrique, o jogador conseguia seus pontos no arremesso e mais um nos lance-livres.

Equipe reunida com o Prof. Carlos. (Foto: Jornal Pelicano)

44º Quarto

O objetivo do 4º quarto também foi de administrar a vitória. Mesmo com a marcação pesada sobre o armador, agora o camisa 14, Kummer, parecia que a bola estava grudada em suas mãos e não poderia ser roubada. Mesmo fora de jogo, substituído pelo técnico Carlão, Paulo Sargento continuava motivando seu time para frente junto com todo o banco da EFOMM. A partida encerrou com o placar de 71 a 44 para os visitantes.

Após a partida, a consagração e a festa com a torcida, o técnico Carlos reuniu o time e disse algumas palavras para seus pupilos. Destacou o entrosamento, a união daquela equipe e o grande significado que criava para ele. E pelo que vimos, o sentimento é o mesmo por parte dos jogadores. É a fórmula do sucesso do Basquete da EFOMM.

Veja os melhores lances da vitória da EFOMM clicando na foto abaixo:

DSC_2257

COMPARTILHAR
Colares
Adaptador aluno do 3º ano de náutica, coordenador geral do Jornal Pelicano.